História Universal
SIGA-NOS NO FACEBOOK

CURTA NOSSA PAGINA
História Universal
SIGA-NOS NO FACEBOOK

CURTA NOSSA PAGINA
loading...

A Inglaterra de Isabel I

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir para baixo

A Inglaterra de Isabel I Empty A Inglaterra de Isabel I

Mensagem por Fundador 28th novembro 2010, 19:07

No reinado de 44 anos (1558-1603) da Rainha Isabel I, filha de Henrique VIII e Ana Bolena, a Inglaterra atingiu o seu auge.
Quais foram as suas principais realizações?

Fundador
Administrador

Mensagens : 1615

Ir para o topo Ir para baixo

A Inglaterra de Isabel I Empty Re: A Inglaterra de Isabel I

Mensagem por Saibot 2nd julho 2011, 22:56

Durante o reinado de Isabel I (1558-1603), Inglaterra iniciou a sua etapa colonial, atacando as possessões espanholas na América e o seu comércio colonial. Por outro lado, apoiou os huguenotes franceses e os calvinistas holandeses na luta contra Espanha. Assim iniciou-se um combate, entre Espanha e Inglaterra, que culminou com o fracasso da Armada Invencível, com que Filipe II atacou Inglaterra. A rainha consolidou a Igreja anglicana e controlou os calvinistas puritanos e os católicos. Durante o reinado de Isabel I, Inglaterra viveu uma época de grande prosperidade.

Saibot
Membro Regular
Membro Regular

Mensagens : 193

Ir para o topo Ir para baixo

A Inglaterra de Isabel I Empty Re: A Inglaterra de Isabel I

Mensagem por Fundador 3rd julho 2011, 20:48

Isabel esteve à altura do seu pai. Grande rainha, muito mais determinada do que a sua irmã, Maria. Apesar de protestante, não seguiu o caminho de "sangue e fogo" para com os católicos. A estabilidade durante o seu reinado permitiu o desenvolvimento de Inglaterra.

Fundador
Administrador

Mensagens : 1615

Ir para o topo Ir para baixo

A Inglaterra de Isabel I Empty Re: A Inglaterra de Isabel I

Mensagem por Manrico 7th agosto 2011, 13:42

Isabel I
A Inglaterra de Isabel I 169j2b4

Manrico
Iniciante
Iniciante

Mensagens : 9

Ir para o topo Ir para baixo

A Inglaterra de Isabel I Empty Re: A Inglaterra de Isabel I

Mensagem por Manrico 7th agosto 2011, 13:47

Carlos Costa escreveu:Isabel esteve à altura do seu pai. Grande rainha, muito mais determinada do que a sua irmã, Maria (...)

Maria I
A Inglaterra de Isabel I 2aj6p94

Curiosamente, as duas tiveram reinados de duração muito diferente. Maria teve un reinado brevíssimo; Isabel, que a sucedeu, um dos mais longos reinados da história de Inglaterra.

Isabel I foi rainha entre 1558 e 1603, portanto un longo reinado de 45 anos; enquanto Maria I, a sua irmã, (católica e de mãe espanhola) apesar de ter ficado muito famosa para a posteridade, curiosamente, apenas reinou entre 1553 e 1558 - 5 anos apenas.

Manrico
Iniciante
Iniciante

Mensagens : 9

Ir para o topo Ir para baixo

A Inglaterra de Isabel I Empty Re: A Inglaterra de Isabel I

Mensagem por Isabel 16th agosto 2011, 11:02

Eu, não aprecio a Rainha Isabel I da Inglaterra.
não era uma mulher honesta, era rainha dos piratas, matou a Rainha Maria Stuart e tinha fraca reputação. O Título de rainha virgem, era uma gozação.
Quem tinha direito ao trono não era ela, porque era bastarda, pois seu pai era casado quando se casou com a mãe dela.
Isabel.

Isabel
Iniciante
Iniciante

Mensagens : 7

Ir para o topo Ir para baixo

A Inglaterra de Isabel I Empty Re: A Inglaterra de Isabel I

Mensagem por Orban89 1st abril 2023, 16:13

Francis Drake - Pirata ou herói? Parte 1 | Grandes Expedições





Francis Drake - Pirata ou herói? Episódio II | Grandes Expedições





Francis Drake - Pirata ou herói? Episódio III | Grandes Expedições





Francis Drake - Pirata ou herói? Episódio IV | Grandes Expedições




Última edição por Orban89 em 22nd abril 2023, 16:04, editado 3 vez(es)
Orban89
Orban89
Historiador Amador
Historiador Amador

Mensagens : 911

Ir para o topo Ir para baixo

A Inglaterra de Isabel I Empty Re: A Inglaterra de Isabel I

Mensagem por Orban89 5th abril 2023, 17:33

António Fogaça, o espião português torturado em Londres

A Inglaterra de Isabel I MEJYY3W_o


Há portugueses com um percurso de vida fascinante. Ao longo da história de Portugal, muitas pessoas realizaram feitos que permitiram que tivessem um lugar de destaque. Foram vários portugueses a alcançarem sucesso nas mais diferentes áreas, sendo reconhecidos como personalidades ilustres. Há também outras pessoas que realizaram feitos que lhes trouxeram fama na época em que viveram, mas foram esquecidos. Um desses homens morreu nas suas funções num país estrangeiro. Já ouviu falar em António Fogaça? Muitos desconhecem o que António Fogaça sofreu no Reino Unido…

ntónio Pantaleão Fogaça é o nome do português que merece este artigo. O nascimento dele terá acontecido por volta de 1510, na cidade do Porto. António casou-se com Isabel Ribeiro de Vabo. Com esta mulher, teve uma filha, Maria do Vabo Pimentel, em 1530. Mais tarde, a sua filha veio a casar com Brás de Anhaia Galego Soromenho, tendo dado origem à família Soromenho em Portugal.

No ano de 1569, António Fogaça escreveu a William Cecil (que era então o secretário de Estado, sendo considerado o principal conselheiro da rainha Isabel I, durante a maior parte do seu reinado), após ter realizado uma viagem a Portugal, espaço no qual terá acertado uma missão com o regente, cardeal D. Henrique, a oferecer-se para intermediar o conflito originado pelo comércio clandestino dos ingleses nas possessões portuguesas.

À carta, ele tinha adicionado um papel em que ele era recomendado enquanto pessoa idónea, alguém capaz de negociar a amizade entre príncipes. Cerca de um mês mais tarde, a rainha de Inglaterra passou um passaporte a António. Por isso, em dezembro, o português desembarcava em Portugal com essa missão.

No entanto, António não chegou a ser recebido pelo conselho de Estado. Contudo, obteve resposta positiva por parte de D. Sebastião, que tinha ascendido ao trono nesse ano. O português manteve conversações em simultâneo com o embaixador castelhano em Lisboa.

Em fevereiro, Fogaça encontrava-se de volta a Londres e apresentou-se com três navios carregados de especiarias, o “maná” que os ingleses desejavam poder negociar de modo direto, mas cujo comércio o nosso país não deixava sair de Lisboa. Desta forma, ele prosseguiu com as negociações entre os dois reinos, sempre sob a vigilância de Castela.

No ano de 1579, quando ele embarcava em Londres com destino a Portugal, Fogaça foi preso, talvez devido a uma denúncia. As autoridades locais decidiram revistar o português e descobriram uma série de documentos que confirmavam a atividade de espionagem, estando ele ao serviço do inimigo católico.

Ele estava também do lado da rainha Maria da Escócia, conspirando contra a irmã Isabel. O português aproveitava o seu relacionamento privilegiado com conselheiros da monarca britânica, para passar muita informação ao duque de Alba, quando ele se encontrava a governar os Países Baixos. Fogaça informara e influenciara os embaixadores portugueses e castelhanos durante anos.

António foi um homem influente que chegou a morar na capital britânica no tempo do reinado de D. Sebastião. Ele tratou da manutenção de paz estabelecida entre duas nações importantes, Portugal e Inglaterra. Contudo, também foi espião de Castela. Além disso, meteu-se no conflito entre católicos e protestantes. Por isso, perdeu a liberdade e a fortuna.

Em 1582, chegou aos ouvidos de Filipe I (de Portugal) que António Fogaça se encontrava preso. O português pedia-lhe ajuda, tendo defendido que tinha trabalhado em seu favor ao longo de oito anos. O rei Filipe I pediu ao embaixador em Londres que apurasse o assunto.

Esse homem confirmou ao monarca a prisão feita ao português que tinha efetivamente realizado esse serviço de espião. O embaixador em Londres adiantou que Fogaça se mantivera fiel, mesmo quando se encontrou sob tortura.

O rei Filipe I deu ordem ao embaixador em Londres para que ele diligenciasse no sentido de assegurar a libertação do espião de Portugal, o que poderia significar o pagamento da estada na prisão e das dívidas que António, entretanto, contraíra, fosse para obter informação, fosse para sobreviver num contexto em que o dinheiro lhe escasseava.

António Pantaleão Fogaça morreu no 15 de março de 1587. A sua morte acontece cinco anos após ele ter sido liberto. A sua libertação surge devido à ação do embaixador do rei Filipe II de Espanha, que na época era também I de Portugal.

Na Torre de Londres, tinham estado presos poucos portugueses. António Fogaça esteve preso entre 1579 e 1582. Ao longo desse período, o espião português foi torturado, várias vezes.

O português deixou escrito um desabafo na sala de tortura da Torre de Londres. António Fogaça deixou lá uma marca da sua passagem. Num instrumento de tortura, deixou gravada uma só palavra…

Reinaldo Ferreira visitou a Torre de Londres em 1930. O jornalista e escritor visitou uma exposição de instrumentos de tortura que tinham sido usados entre 1500 e 1600. Naturalmente, os prisioneiros que passaram por aqui foram sujeitos às mais incríveis formas de convencimento.

Num instrumento usado para “estoirar braços”, viu algo que o surpreendeu. Reinaldo Ferreira escreveu a sua reação: “escrito ou melhor riscado com o bico dum prego ou algo semelhante, um vocábulo inconfundivelmente português, uma obscenidade, o mais lusitano e clássico dos palavrões… E é pena não vos poder dizer qual”.

Apesar de se reconhecer que é necessário dar um desconto às palavras de Reinaldo Ferreira, porque os homens deste tipo de jornais têm uma imaginação muito fértil, Reinaldo Ferreira afirmou ter contactado o conservador do museu.

Este responsável pelo espaço explicou ao jornalista português que os juízes mandavam fechar os presos na sala da tortura. Faziam-no antes e nos intervalos dos interrogatórios. Desta forma, tentavam convencer os presos a falar e a aceitar as acusações. Neste local, havia correntes eriçadas, “e muitos, na aflição e na perspectiva da dor, riscavam com esses pregos desabafos curtíssimos.”

Clark Petterson defendeu que muitas horas foram gastas a refletir sobre o dito vocábulo. Ele disse ao jornalista português sobre esses desabafos escritos: “Todos estão (escritos) em inglês exceto dois; e destes dois, um está em alemão e calculo quem o tivesse feito; o outro, aquele que lhe interessa, ignorava eu a que idioma pertencia. E já que o sr. diz que é palavra portuguesa, posso facilmente informá-lo se algum português sofreu tormentos na Torre de Londres, na época em que lá estavam esses aparelhos.”

Ora, dois dias mais tarde, Clark Petterson informava o nome, António Fogaça. No entanto, ele não sabia adiantar-lhe mais nada acerca do prisioneiro…


Arrow https://ncultura.pt/antonio-fogaca-o-espiao-portugues-torturado-em-londres/
Orban89
Orban89
Historiador Amador
Historiador Amador

Mensagens : 911

Ir para o topo Ir para baixo

A Inglaterra de Isabel I Empty Re: A Inglaterra de Isabel I

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Ir para o topo Ir para baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir para o topo

- Tópicos semelhantes

Permissões neste sub-fórum
Não podes responder a tópicos