História Universal
SIGA-NOS NO FACEBOOK

CURTA NOSSA PAGINA
loading...

Papa Paulo VI e Portugal

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Papa Paulo VI e Portugal

Mensagem por Fundador em 8th Março 2012, 15:07


Paulo VI (1963-1978)
Um dos primeiros atos do papa Paulo VI relativamente a Portugal teve lugar em 1965, no dia 13 de Maio, quando foi entregue em Fátima a mais importante honraria concedida pela Santa Sé – a Rosa de Ouro. A entrega foi feita pelo cardeal Fernando Cento, legado pontifício, durante a Peregrinação Internacional Aniversária.

A decisão desta concessão fora tomada em Novembro do ano anterior, durante o encerramento da 3ª sessão do Concílio Ecuménico Vaticano II, quando Paulo VI anunciou aos 2.500 eclesiásticos conciliares a oferta da Rosa de Ouro ao Santuário de Fátima.

Refira-se que a concessão da Rosa de Ouro por parte dos pontífices representa um sinal de particular estima ou de distinção de personalidades que prestem relevantes serviços à Igreja, ou ainda para honrar cidades ou realçar santuários importantes, como centros de grande devoção.

Poucos anos mais tarde, a 13 de Maio de 1967, o Santo Padre deslocou-se a Fátima em peregrinação, no cinquentenário da primeira Aparição da Virgem Maria, para pedir a paz no mundo e a unidade da Igreja.

Mas as relações da Santa Sé com Portugal durante o papado de Paulo VI ficaram também marcadas por algumas fricções, particularmente no Verão de 1970, quando, para escândalo das autoridades de Lisboa, o Sumo Pontífice aceitou receber em audiência no Vaticano os líderes dos movimentos de libertação de Angola, Guiné e Moçambique. Esta foi, aliás, a ação de Paulo VI que provocou uma das maiores crises entre Lisboa e o Vaticano. Portugal respondeu com dureza, esperando uma reparação condigna por parte de Roma, o que não veio a acontecer.

Na altura, em sequência do Concílio Vaticano II respirava-se na Santa Sé um clima de novos tempos, enquanto em Lisboa a crise se agudizava com o prosseguir da guerra colonial, sem se avistar uma solução ultramarina. Alguns setores católicos mostravam um empenho bastante visível contra a guerra. Após o impacto da encíclica Pacem in Terris (1963) de João XXIII, com as resoluções do Concílio Vaticano II e a política de modernização da Igreja preconizada por Paulo VI, tinha surgido algum estímulo à procura de soluções para o conflito colonial.

Naturalmente, o fim da guerra colonial e a consolidação da democracia em Portugal, após o 25 de Abril, foram vistas com bons olhos por parte do Vaticano. Desde então, manteve-se entre os dois estados um clima de amizade e compreensão que prosseguiria bastante visível durante o pontificado de João Paulo II.

Fundador
Administrador

Mensagens : 1615

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum