História Universal
SIGA-NOS NO FACEBOOK

CURTA NOSSA PAGINA
loading...

Imigração italiana no Brasil

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Imigração italiana no Brasil

Mensagem por Márcio Chiarini em 3rd Dezembro 2012, 21:58

Imigração italiana no Brasil
A imigração italiana no Brasil teve como ápice o período entre 1880 e 1930. Segundo estimativa da embaixada italiana no Brasil, vivem no País cerca de 25 milhões de descendentes de imigrantes italianos. Os ítalo-brasileiros estão espalhados principalmente pelos estados do Sul e do Sudeste do Brasil, quase metade no estado de São Paulo. Assim, os ítalo-brasileiros são considerados a maior população de oriundi (descendentes de italianos) fora da Itália. É importante notar, contudo, que o Censo Brasileiro não pesquisa este tipo de informação, nem a Embaixada Italiana no Brasil realiza pesquisas nesse sentido.



À província de São Paulo no Brasil. Emigrantes, leiam estes folhetos antes de partir. São Paulo.


Motivos
Não apenas a população da Itália, mas de toda a Europa de um modo geral estava afundada na miséria no século XIX. A transição entre um modelo de produção feudal para um sistema capitalista afetou diretamente as condições sociais no continente europeu. As terras ficaram concentradas nas mãos de poucos proprietários, havia altas taxas de impostos sobre a propriedade, fazendo o pequeno proprietário se endividar com empréstimos. Havia a concorrência desigual com as grandes propriedades rurais, que fazia o preço dos produtos do pequeno proprietário ficarem muito baixos, empurrando essa mão-de-obra para as indústrias nascentes, que não conseguiam absorver essa massa de trabalhadores, saturando as cidades com desempregados. A medida que a disputa pelos mercados consumidores se acirrou, a concentração de terras nas mãos de poucos se agravou. Assim, milhões de camponeses, que antes eram pequenos proprietários rurais, desceram à condição de trabalhadores braçais (bracciante) nas grandes propriedades rurais. Mesmo aqueles que continuaram na condição de pequenos proprietários não conseguiam mais tirar seu sustento da terra. Isto porque as terras eram normalmente adquiridas por herança, e o filho mais velho adquiria a propriedade após a morte do pai, enquanto os outros filhos eram excluídos. Mesmo quando as terras eram divididas entre os filhos, o fracionamento acarretava no recebimento de um pedaço de terra muito pequeno, tornando impossível dali extrair o sustento.


A escolha do país
Para compreender a imigração italiana no Brasil, é necessário analisar os aspectos do país durante o século XIX. Na primeira metade deste século, a Grã-Bretanha, superpotência da época, pressionou fortemente o Brasil para acabar com o tráfico negreiro que supria as necessidades de mão-de-obra com a importação de escravos da África. A Lei Eusébio de Queirós proibiu o tráfico negreiro em 1850 e, a partir deste momento, começou a falta de mão-de-obra nas zonas em que se expandia a cultura cafeeira. Isto foi limitadamente resolvido com a importação de escravos da Região Nordeste.


Nesta época, surgiu no Oeste Paulista um grupo de fazendeiros que, premido pela falta de mão-de-obra escrava, defendeu o uso da mão-de-obra livre nas plantações de café, opondo-se politicamente aos fazendeiros do Vale do Paraíba, donos de grandes plantéis de escravos. A nação brasileira passou então por um período de fermentação das ideias abolicionistas. Novas leis, como a Lei do Ventre Livre (1871) e a Lei dos Sexagenários (1885) anunciavam o fim próximo da escravidão. Ao mesmo tempo, a população escrava envelhecia durante a segunda metade do século XIX sem que a reprodução natural da população fosse suficiente para suprir a necessidade de mão-de-obra nas lavouras que se expandiam ou para colonizar as terras ainda inexploradas no sul do Brasil. É comum afirmar-se erroneamente que a libertação dos escravos em 1888 desencadeou a falta de mão-de-obra nas lavouras quando os escravos libertos saíram das fazendas para as grandes cidades. Isto aconteceu em pequena escala, e somente no Vale do Paraíba onde a lavoura cafeeira estava em franca decadência de produção. Enquanto isto, na então província de São Paulo, as plantações de café prosperavam e necessitavam cada vez mais de mão-de-obra em quantidade muito superior à existente.


Canção dos imigrantes toscanos

"Itália bela, mostra-te gentil
e os filhos teus não a abandonarão
senão eles vão todos para o Brasil
e não se lembram mais de voltar
ainda aqui haveria trabalho
sem ter que emigrar para a América
o século presente está nos deixando
e o novecentos se aproxima
eles têm a fome pintada na cara
e para saciá-los não existe a medicina
a cada momento escutamos dizer:
e vou para lá onde tem a colheita do café
". - Canção dos imigrantes (Final do século XIX)


A questão racial
Recorrer à imigração de trabalhadores africanos foi uma ideia prontamente descartada pois, para a elite, isso representaria um reestabelecimento do tráfico negreiro e um aumento da "africanização" do Brasil. O grande número de negros e mestiços, majoritários na população brasileira, causava preocupação entre a elite. Chineses, indianos e outros asiáticos também foram excluídos uma vez que, ao lado dos africanos, eram considerados pertencentes às "raças inferiores", em um momento em que as ideias de eugenia racial tinham grande prestígio no pensamento científico. O decreto 528, de 1890 foi explícito ao restringir a entrada no Brasil de "indígenas da Ásia e da África".



Na América. Terras no Brasil para os italianos. Navios partindo toda a semana do porto de Gênova. Venham construir seus sonhos com a família. Um país de oportunidades. Clima tropical e abundância. Riquezas minerais. No Brasil vocês podem ter o seu castelo. O governo dá terras e ferramentas para todos.

O privilégio concedido aos europeus também não era irrestrito, uma vez que criminosos, mendigos, vagabundos, portadores de doenças contagiosas, inválidos, velhos, ciganos, ativistas políticos, refugiados, etc, eram listados como "indesejáveis". Os alemães também passaram a figurar na lista dos "indesejáveis", devido à sua tendência à não assimilação. Neste momento, a questão da "latinidade" ganhou força, uma vez que o governo pretendia formar um crisol de raças, que se miscigenaria, caldearia, fundindo-se e assimilando imigrantes e descendentes, alcançando uma meta que seria uma totalidade inequivocadamente brasileira. No pensamento da elite, se formaria no Brasil um povo mestiço, mas onde deveriam predominar as características da raça branca, diluindo a presença das "raças inferiores" (negros e índios).

Assim, italianos, portugueses (e, às vezes, espanhóis), pelo fato de serem povos de cultura latina, próxima à matriz luso-brasileira, apareciam como os imigrantes preferenciais, provavelmente com ênfase nos italianos, pois também havia um certo sentimento antilusitano, inclusive nos meios intelectuais. Assim, a política migratória brasileira privilegiou italianos e portugueses, considerados "assimiláveis", tratou com reservas alemães e japoneses (menos propensos à assimilação) e excluiu por completo africanos e asiáticos (a restrinção à migração de asiáticos só foi revogada em 1907, pouco antes da chegada dos primeiros imigrantes japoneses).


O sudeste, o café e os italianos
Embora tenha sido a região Sul a pioneira na imigração italiana, foi a Região Sudeste aquela que recebeu a maioria dos imigrantes. Isto se deve ao processo de expansão das lavouras de café em São Paulo (e, em menor medida, também em Minas Gerais). Com o fim do tráfico negreiro e o sucesso da colonização italiana no Sul, o Governo Paulista passa a incentivar a imigração italiana com destino aos cafezais. A imigração subsidiada de italianos começou na década de 1880. Os próprios donos das fazendas de café tratavam de atrair imigrantes italianos para as suas propriedades. Os proprietários de terras pagavam a viagem e o imigrante tinha que se propor a trabalhar nas fazendas para devolver o valor da passagem paga.

Os imigrantes italianos, na maioria, imigravam para o Brasil em famílias e eram chamados de colonos. O governo brasileiro preferia atrair famílias inteiras para o Brasil. Nas plantações de café, todos trabalhavam: homens, mulheres e até crianças. Os fazendeiros, acostumados a trabalhar com escravos africanos, passaram a lidar com trabalhadores europeus livres e assalariados. Todavia, muitos italianos nas fazendas de café foram submetidos a jornadas de trabalho maçantes como as enfrentadas pelos afro-brasileiros e muitos eram tratados de maneira semelhante a dos escravos. Essa situação gerou muitos conflitos entre os imigrantes italianos e os fazendeiros brasileiros, causando rebeliões e revoltas. As notícias de trabalho semi-escravo chegaram à Itália, e o governo italiano passou a dificultar a imigração para o Brasil.


Na itália: os terroni
Spoiler:
É notória a rivalidade que os italianos do norte, ligados ao continente, tem com os italianos do sul, já na parte que se prolonga e toca o Mediterâneo. Ao norte, temos uma Itália muito industrializada, rica e bem desenvolvida, enquanto que no sul temos um meio mais agrário. Obviamente, ambos são orgulhosos de suas raízes e amam suas regiões, e um diz que "aqui" é melhor do que "lá": "Porque lá eles tem a máfia, e tens que ficar atento com tua carteira" e "Porque lá eles são muito frios (e a nossa culinária é a melhor)", diriam.

Pois, com o tempo surgiram dois termos para designar os habitantes do norte e do sul, ou das duas extremidades do território, já que no centro um habitante de Roma é sempre um romano, antes de mais nada. Porém são dois termos depreciativos, de fato ofensivos. Da Itália setentrional, são chamados polentone e da meridional, terrone. Explico.

Ouvi pela primeira vez o termo 'terrone' pensando que tivesse dito 'terrorista', uma minha colega da escola italiana, quando comentei que estava indo ao sul por uma semana. Depois, na casa hospedeira, que a mamma explicou que eu havia escutado errado, e o que minha colega teria dito era em referência ao termo que eles dão aos habitantes do sul (que não são terroristas!).

Ora, terrone remete àquele que lida com a terra, um camponês. A história é interessante e alternativa das encontradas na wikipedia italiana, e foi a que escutei: teriam apresentado uma banheira para um habitante do sul italiano, que desconhecendo a sua função, resolveu colocar terra e cultivar uma horta, ao invés de usá-la para se lavar. Daí que, quando viu aquilo, um italiano do norte teria dito que aquele era um "terrone", um baita de um ignorante.

[...]

Em contraposição, o pessoal da sola da bota, passou a chamar de polentone os italianos da região norte: Vêneto, em especial, e prolongamento. Ora, "polentão" - poderíamos arriscar uma tradução em português - é aquele que come polenta, uma comida considerada de baixo nível e de sabor ruim pelos "terrone". Mas a polenta foi um prato essencial em épocas de crise, pois era barata e qualquer um poderia preparar, além de muito apreciada pelo pessoal do norte.

Também poderia-se interpretar que um "polentão" é uma pessoa preguiçosa, de movimentos lentos. Daí até surgiria uma ofensa, mas daqueles que conheci do norte, pouco se importavam com o termo, e davam risada. Enquanto que chamar de terrone algum habitante da região sul da Itália, é muito ofensivo e deve ser evitado.


Vídeos
Vou finalizar com uma série de vídeos que utilizei para retirar informações do meu último trabalho (recente) sobre a imigração italiana no Brasil. Espero que lhes sirva bem.










Estes abaixo são referentes ao primeiro episódio da novela brasileira Terra Nostra (em italiano), que fez sucesso no mundo inteiro no início deste século e retrata a vida dos imigrantes italianos na cidade de São Paulo.










Márcio Chiarini
Iniciante
Iniciante

Mensagens : 3
Idade : 23
Localização : Milão

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum